logo

Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará

Santarém -Mais de 570 toneladas de produtos da agricultura familiar são destinados a merenda escolar

22 de janeiro de 2019

A Secretaria Municipal de Educação de Santarém (Semed), por meio da Divisão de Atendimento ao Educando (DAE) promoveu nesta terça-feira (15), uma visita técnica a produtores da Agricultura Familiar que fornecem o complemento a Merenda Escolar. As visitas foram nas propriedades dos agricultores Jailson Nobre da Silva, morador do bairro Vitória Régia e Jônatas de Oliveira, na Rodovia Santarém-Cuiabá, comunidade Tabocal, Km 23, Ramal do Funil I. Ambos são associados a Cooperativa dos Produtores da Agricultura Familiar de Santarém (COOPAFS).

Na gestão do prefeito Nélio Aguiar, em 2017, foi destinado à merenda escolar 473,04 toneladas de produtos. Em 2018, foram 579,4 toneladas oriundas da agricultura familiar. Os números representam investimento na produção familiar com recursos da merenda escolar do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Os produtos são distribuídos a 445 escolas do município e do Estado, atendendo 86.877 alunos das redes municipal e estadual. Em 2018, o percentual de recursos atendeu cinco cooperativas, formada por 384 trabalhadores da agricultura familiar.

A Secretária de Educação Mara Belo afirmou que a visita técnica contribuiu com a percepção da Semed, através do contato direto com os produtores. “Nesse momento pode-se ver os procedimentos e as técnicas de manejo dos produtos incluídos na Chamada Pública e, que posteriormente, serão incluídos na alimentação escolar de nossos alunos. A partir da visita realizada muitas sugestões e novas orientações serão destinadas ao DAE e aos cooperados”, informou Mara.

Ainda de acordo com a titular da pasta de educação, durante a visita foram feitas observações que serão discutidas tecnicamente com relação à manipulação e acondicionamento dos produtos, principalmente, em relação ao manejo e os espaços de cultivo. Tais observações servirão de pauta para que os procedimentos ajudem futuramente na melhora dos serviços. “O objetivo maior é que em 2019 essas visitas possam refletir em melhorias em todo o processo, desde o plantio, colheita e a logística até chegar as nossas escolas, produtos com mais qualidade e saudáveis.”

“Desde o ano passado, a Semed já ultrapassou o percentual destinado aos produtos da Agricultura Familiar estabelecido em lei. O mínimo é 30% dos recursos destinados ao cardápio da merenda escolar com aquisição dos produtos da agricultura familiar. Estamos bem acima desse número, o que é excelente”, concluiu a titular da pasta de educação.

A coordenadora da DAE Vanda Maia contou que o objetivo da visita técnica é verificar in loco a capacidade de fornecimento e a qualidade dos produtos. “A visita é muito importante para construir a pauta que vai determinar a oferta do cardápio da merenda escolar aos alunos, neste ano de 2019. Cada cooperativa, de acordo como o número de cooperados, informa a capacidade de oferta de determinados itens, mas cabe a equipe técnica da Semed fazer a verificação. Dessa forma obtém-se segurança com relação à pauta e garantia de que o cardápio será atendido sem faltar o fornecimento dos produtos aos 200 dias letivos, conforme prevê a legislação”, pontuou.

Vanda também explicou sobre a pauta que faz parte do processo da Chamada Pública para aquisição da merenda escolar, com a coleta de preços e o estudo de mercado baseado nos custos que cada cooperativa vai ofertar. Depois disso serão feitos os últimos ajustes no edital que vai direcionar os caminhos que vão dar sustentação à Chamada Pública 2019. “O nosso planejamento está fechado, só esperando finalizar a etapa da composição do preço médio que será ofertado na Chamada Pública.”

A coordenadora concluiu informando que os produtos ofertados ao cardápio da merenda escolar são semi-orgânicos, em conformidade com o que preconiza o PNAE, pois a partir da gestão do Prefeito Nélio Aguiar, esse procedimento passou a ser evidenciado com a introdução de cardápio regionalizado e alimentação saudável. “Estamos avançando em direção aos produtos orgânicos, mas como se necessita de produção em larga escala para atender a demanda, ainda não é possível compor o cardápio apenas com eles”, explicou.

A nutricionista da Semed Lurdiane Cardoso Silva disse que os produtos apresentados são de boa qualidade, próprios para integrar o cardápio da merenda escolar, havendo apenas a necessidade de pequenas mudanças no local de armazenamento. “A qualidade dos produtos reflete no cardápio ofertado aos alunos. Os componentes do cardápio devem estar harmônicos em quantidade e qualidade para atingir os objetivos de uma alimentação balanceada e saudável.”

Segundo o responsável pela logística de entrega dos produtos, coordenador da Divisão da Agricultura Familiar da Semed Eduardo Serique, os procedimentos iniciam com os pedidos às cooperativas e os produtos chegam ao depósito da Secretaria as segundas e terças-feiras de cada semana até o meio dia. “A área territorial de Santarém, que recebe a merenda escolar, foi dividida em doze rotas para facilitar a entrega dos produtos. No período da tarde de segunda-feira são feitas duas rotas. No dia seguinte mais cinco. E na quarta-feira mais cinco, totalizando doze. Com essa logística os produtos da agricultura familiar chegam aos alunos em menor espaço de tempo, saudáveis e com ótima qualidade de consumo.”

Para as escolas localizadas em áreas de várzea, devido a distância da zona urbana, o coordenador explicou que ao invés de verduras, a Semed envia farinha de mandioca, farinha tapioca, feijão Caupi e frutas como melancia e abacaxi, além de macaxeira.

A vice-presidente do Conselho de Alimentação Escolar (CAE) Auliete Sousa avaliou positivamente a visita técnica. “Diante do que vimos, os procedimentos estão aprovados, uma vez que pode-se constatar que se trata de alimentação saudável e de qualidade, contribuindo com o bom desempenho do ensino/aprendizagem dos alunos. Os procedimentos estão de acordo com a legislação. Temos apenas algumas sugestões que serão feitas ao DAE, para aprimorar a merenda dos alunos”, ressaltou.

Auliete Sousa destacou ainda que a função do CAE é acompanhar e fiscalizar o processo completo da merenda escolar, desde a origem, os procedimentos de aquisição, distribuições até a chegada à escola.

A pedagoga da COOPAF Lucilene da Silva Sousa destacou a parceria da entidade para implementar um trabalho pedagógico junto às pessoas que trabalham diariamente a fim de garantir merenda escolar de qualidade aos alunos. Segundo ela, é importante a verificação no campo de ação sobre o que é produzido e entregue as redes escolares de Santarém.

Lucilene esclareceu que a função do pedagogo na cooperativa é motivar os agricultores, uma vez que eles precisam vencer uma rotina dura de cada dia, desde o processo de plantio até a colheita, levando em consideração a realidade desafiadora que eles enfrentam sob o sol ou debaixo da chuva, para que a produção obtenha a melhor qualidade possível. Além dessa atividade, esclareceu que o pedagogo também contribui com o incentivo ao projeto “Horta na Escola”, no sentido de motivar professores e alunos a cultivar os produtos e contribuir com o meio ambiente.

O presidente da COOPAFS Floriano Franco destacou que um dos papeis da entidade é zelar pela pontualidade no atendimento dos pedidos feitos pela Divisão da Agricultura Familiar da Semed e com qualidade dos produtos ofertados a merenda escolar.

Em 2018, a Chamada Pública para aquisição dos produtos da Agricultura Familiar, promovida pela Semed contemplou as seguintes cooperativas: Cooperativa dos Produtores da Agricultura Familiar de Santarém (COOPAFS); Cooperativa dos Produtores da Agricultura Familiar da Boa Esperança (COOPBOA); Cooperativa Mista Agroextrativista do Tapajós (COOMAPLAS); Cooperativa dos Produtores Rurais de Santarém (COOPRUSAN) e Cooperativa de Produtores de Mojuí dos Campos e Belterra (COOPROMUBEL).

Juntas estas cooperativas reuniram 384 produtores da Agricultura Familiar de Santarém e dos municípios de Mojuí dos Campos e Belterra, beneficiados com a comercialização de suas produções.

Fonte: Agência Santarém