logo

Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará

PREFEITOS DA AMUT PARTICIPAM DA II MARCHA A BELÉM EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS PARAENSES

18 de maio de 2018

  

Chico Tozetti, presidente da Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém Cuiabá e Região Oeste do Pará (AMUT) e prefeito de Pacajá, defendeu, em nome dos demais consorciados, um olhar diferenciado do Governo Federal para os municípios da Região Amazônia, haja vista suas peculiaridades regionais e uma pauta de reivindicações com 23 itens, que trata de obras e serviços essenciais para o povo daquelas regiões.

Foi durante a II Marcha a Belém em Defesa dos Municípios Paraenses, que ocorreu nesta sexta-feira, 18 de maio, no hotel Princesa Louçã.

Pela manhã a fala foi franqueada aos prefeitos para relatarem a situação dos seus municípios. No período da tarde houve formações com palestras sobre prestações de contas, renúncias fiscais e apresentações de Leis de autoria do Executivo e de interesse do povo paraense, entre outros temas de interesse dos prefeitos.

Estiveram no evento promovido pela Federação das Associações dos Municípios Paraenses (Famep) ainda os prefeitos de Belterra, Jociclélio Macedo, Placas, Raquel Brandão, Brasil Novo, Alexandre Lunetti e ainda presidente da Famep e prefeito de Santarém Nélio Aguiar

A pauta da AMUT integrará a extensa lista de reivindicações do movimento municipalista paraense, que será levada para Brasília, no próximo dia 21, durante Marcha Nacional, na qual será solicitada pelos prefeitos uma audiência com presidente Michel Temer. “Os pleitos da AMUT são semelhantes aos dos demais municípios de todas as regiões do Pará, pois a cada dia, o Governo Federal impõe suas responsabilidades para os estados, que por sua vez, municipaliza para as prefeituras, estrangulando as gestões municipais, que não tem recursos suficientes para manter nem os serviços essenciais de seus municípios, mas somos nós que estamos em nossos municípios, sofrendo as pressões do povo, que protesta claro, com toda razão, então, temos de lutar para reverter essa situação e isso tem de ser feito em Brasília”, disse Tozetti.

Entras as demandas dos municípios da AMUT que serão levadas a Brasília estão: regularização fundiária urbana e rural, manutenção das estradas e vicinais via Incra; aumento do valor pago por aluno no Transporte Escolar e Merenda Escolar em função da precariedade da Região da Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Xingu; pavimentação asfáltica da BR 422, trechos Tucurui/Novo Repartimento manutenção e conclusão das BRs 230 e 163 e ainda a criação da Universidade Federal do Xingu, criação do Estado Tapajós, entre outras demandas como aumento do valor do Tratamento Fora de Domicílio (TFD), que é insuficiente para as demandas de cada município, haja vista, a distância geográfica dos municípios da Amazônia.

O presidente da Famep, Nélio Aguiar, destacou que o movimento dos prefeitos deve ser suprapartidário em benefício do cidadão que não suporta mais sofrer os arrochos da falta de recursos nos municípios. “Na educação, por exemplo, além de não termos aumento nenhum este ano, ainda tivemos redução do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação)”, disse.

Texto; Katia Aguiar.