logo

Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará

CONHEÇA PACAJÁ

5 de junho de 2019
Inserida no bioma amazônico, o município de Pacajá pertence à mesorregião Sudoeste Paraense e à microrregião Altamira, apresentando uma área territorial de 11.832 km2, com uma população de 39.979 habitantes (IBGE, 2010). A sede municipal apresenta as seguintes coordenadas geográficas: 03° 50’ 30” de latitude Sul e 50° 38’ 35” de longitude a oeste de Greenwich.
As origens do município de Pacajá estão relacionadas com a construção da Rodovia Transamazônica (BR-230) e também ao Programa de Integração Nacional (PIN), implantado no ano de 1971, pelo Governo Federal. O PIN tinha como objetivo desenvolver um grande Programa de Colonização e Reforma Agrária dirigida na Amazônia, trazendo trabalhadores sem terra de diversos pontos do Brasil, em especial do Nordeste. A área territorial que hoje compõe o município já pertenceu ao município de Portel.
O núcleo urbano de Pacajá teve origem na iniciativa pessoal de um colono que instalou em seu lote – situado às margens da rodovia transamazônica, próximo ao rio Pacajá – um pequeno bar e restaurante que começaram a servir de ponto de apoio para caminhões e ônibus que trafegavam pela rodovia. Na mesma época, a construtora Mendes Junior havia instalado um acampamento que servia de suporte aos trabalhadores da estrada na localidade chamada Jacaré, às proximidades do porto da balsa do Rio Xingu, no trecho em que, por balsa, chega-se a Altamira.
Á proporção que as obras da estrada prosseguiam e se distanciavam dos centros urbanos existentes, sentia-se a necessidade de encontrar novos pontos de apoio, como o referido bar e restaurante, que passava a ser parada obrigatória daqueles que ali trafegavam. Logo, outros lotes rurais começaram a serem divididos e vendidos aos interessados na prestação de serviços e no comercio.
No final da década de 1970, a população já se concentrava e começou a sentir, de certo modo, um certo descaso da Prefeitura de Portel, devido a distancia da sede do Município em relação ao lugar conhecido como Pacajá. A partir de então começaram a surgir os primeiros movimentos para a emancipação da localidade, tendo à frente Geraldo Franco (Padre de Pacajá), Antonio Maria de Abreu, Antonio “Chapéu de Couro”, dentre outras personalidades. Assim, Pacajá obteve sua autonomia no Governo paraense Hélio Motta Gueiros, através da lei nº5.447, de 10 de maio de 1988.
O município de Pacajá, agora desmembrado do município de Portel, tem sua sede na vila de Pacajá, que passou consequentemente à categoria de cidade, com a mesma denominação. Sua instalação ocorreu no dia 1º de janeiro de 1989, com a posse da prefeita Maria Zuleide dos Santos Gonçalves, eleita no pleito de 15 de novembro de 1988. O município é constituído somente do distrito-sede.

Cultura Popular e Religiosa

A festa religiosa mais importante do município de Pacajá é realizada em homenagem a Cristo Rei, padroeiro da cidade.
No mês de junho, ocorrem varias festas na roça com apresentações de quadrilhas, concursos da “miss caipira”, “casamento na roça”, “pau-de-sebo”, derrubada de mastro votivo, rezas, arraial e venda de comidas típicas.
No artesanato, destaca-se a confecção dos personagens do presépio natalino esculpidos na madeira que são montados em dezembro.

Aspectos Naturais

A vegetação predominante no município de Pacajá é a floresta de terra firme. A presença de cultivos agrícolas e da pecuária favorece a remoção da cobertura vegetal primitiva e o desenvolvimento de florestas secundarias e pastagens, ao longo da Rodovia Transamazônica.
O município apresenta sua rede de drenagem disposta na direção sul-norte, tendo como rios mais importantes o Pacajá e o Anapú. O primeiro banha a sede do município e limita, parcialmente no norte, com o município de Portel, tendo como principais afluentes o rio Pacajazinho e o Arapari. Importantes são, também o rio Tueré e uma serie de igarapés a noroeste do município, como as praias Pitinga e Pedreira.
É comum depois das cheias, os habitantes de Pacajá se banharem nas águas do rio. Cheio de correntezas e muitas pedras o rio pode proporcionar lazer e diversão àqueles que o procuram.( https://www.pacaja.pa.gov.br)
O município possui um clima tropical úmido, com chuvas frequentes nos meses de fevereiro março e abril. Em agosto, setembro e outubro as chuvas desaparecem, formando um período mais seco.

Economia

A economia do município se caracterizado pela exploração e extração de madeira, agropecuária e comércio. (REVISTA CIENTIFICA DA UFPA)
*Bolsista de Extensão GeoXingu / Acadêmico de geografia UFPA-Altamira

HINO DE PACAJÁ

Entre as terras tão ricas e belas
Do estado do Pará
Surgiu uma nova estrela para nos glorificar
Como é gostoso poder respirar
Esse ar que ninguém poluiu
Oh Pacaja, tão estimada
Um pedacinho do nosso Brasil

Oh Pacaja, tão estimada
És uma terra por Deus abençoada
Oh Pacaja, tão estimada
Mais um orgulho da nossa pátria amada

Oh Jesus abençoe este solo
Que produz o arroz o feijão
O cacau, a castanha e a pimenta
Deixando as mesas mais fartas de pão
Três palavras se escrevem com P
Pacaja Paz e Progresso
Eis o tijolo que faltava
Na parede do nosso universo

Refrão

Entre os rios, florestas e fauna
Onde os raios do sol brilham fortes
Arapuá e Aibis se espalham
Dividindo as jazidas do norte
Este povo que tanto labuta
Para o bem desta terra natal
Pacaja é mais uma estrela
No céu da Amazônia Legal

Leia mais: https://geoxingu.webnode.com.br/regi%c3%a3o%20do%20xingu/pacaja/