logo

Associação dos Municípios das Rodovias Transamazônica, Santarém-Cuiabá e Região Oeste do Pará

AMUT E MINISTÉRIO DA SAÚDE REALIZAM OFICINA E-SUS AB, EM SANTARÉM

25 de outubro de 2017

Com o intuito de capacitar gestores para a qualificação da atenção básica em 20 municípios da região oeste do Pará, o Ministério da Saúde em parceria com a AMUT, realizou nos dias 23 e 24/10 em Santarém, a Oficina Estadual sobre e-SUS AB e 3° Ciclo do Pmaq. O evento ocorreu no auditório da Universidade Estadual do Pará (Uepa). Desde quando a nova diretoria tomou posse no departamento de Atenção Básica de Saúde, foi percebido que os municípios perdem muitos recursos por não conseguirem acessar corretamente os programas do Ministério, segundo o diretor da Atenção Básica do Ministério da Saúde, João Salame Neto. “As vezes por falta de informação, as vezes por falta de qualificação técnica das equipes. Mas o fato é que muito dinheiro é perdido”, observa o diretor.

O evento tratou de questões como acesso aos recursos, acolhimento, estrutura, gestão, processo de trabalho e resolutividade da saúde. Em Santarém, participaram os municípios de Aveiro, Belterra, Itaituba, Jacareacanga, Mojuí dos Campos, Novo Progresso, Placas, Rurópolis, Trairão, Santarém, Alenquer, Almerim, Curuá, Faro, Juruti, Monte Alegre, Obidos, Oriximiná, Prainha e Terra Santa.

Um dos exemplos citados pelo diretor em relação ao município anfitrião foi que equipes estratégicas da saúde da família de seis unidades básicas de saúde, não estavam recebendo recursos desde 2009. “Eu fiz um levantamento nesse período todo e o município de Santarém deixou de receber cerca de 5 milhões de reais. Era um problema de natureza simples de ser resolvido, sendo que nós resolvemos em uma semana, e hoje as seis unidades estão habilitadas a receberem os recursos”, explicou.

O prefeito de Santarém e presidente da AMUT Nélio Aguiar comentou que o evento estreita a relação do Ministério da Saúde com os técnicos da Secretaria Municipal de Saúde. “O objetivo é aumentar o repasse de recursos para o município, corrigir alguma falha, apresentar melhores projetos. Temos como ganhar bastante com esse evento, em termos de cadastramento de novos serviços e poder realmente aumentar a receita de Santarém, para melhorar o atendimento da população tanto na atenção básica quanto em outros serviços de saúde”, disse.

A coordenadora da atenção básica de Mojuí dos Campos, Juliane Figueira, ressalta que a participação dela é para multiplicar os conhecimentos adquiridos na oficina, e assim suprir as necessidades do município. “Não há um serviço que precisa ter mais atenção. São vários, pois todos são de suma importância. Há saúde da mulher, saúde do homem, saúde da criança, e todos eles são essenciais e precisam estar em um patamar elevado”, disse.

Já para a integrante da diretoria da atenção básica do município de Placas, o alvo é se aprofundar no Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica. “Vim com o propósito de saber como o Ministério da Saúde pode estar ajudando Placas. Conversei com representantes de outros municípios e há uma necessidade unânime: os recursos” frisou.

A diretora do 9º Centro Regional de Saúde, Marcela Tolentino, compôs a mesa e avaliou em discurso que é um momento para o fortalecimento da área da saúde nos municípios, e como exemplo citou a revogação da liminar que limitava o papel dos enfermeiros. “Uma liminar irresponsável, que só vinha prejudicar a saúde brasileira”, finalizou.